Brincar agora e ser um bom profissional depois

Qual é o melhor brinquedo de acordo com a idade da criança?
19/02/2018
Fantoches: você quer brincar comigo?
23/02/2018
Exibir tudo

Brincar agora e ser um bom profissional depois

Você quer que seu filho seja bem-sucedido, independentemente da atividade que escolher, certo? E, pensando nisso, acha que ele deve dedicar boa parte da infância aos estudos, ao invés de gastar o tempo livre brincando? Você está errado se não der a devida atenção – e o devido tempo – para o seu filho brincar à vontade.

Mas se você quer pensar mesmo sobre o futuro, veja três habilidades fundamentais que seu filho desenvolve quando está brincando.

Empreender
A capacidade de enxergar todos os ângulos de uma questão e criatividade na hora de avaliar um problema são características valorizadas no mercado. O faz-de-conta, onde a brincadeira transcende o limite da realidade, é nada mais do que um exercício de imaginação, um treino para a vida real. Você já prestou atenção num grupo de crianças brincando de casinha? Outro item importante para os empreendedores do futuro é saber correr riscos. Como andar de bicicleta. No início, a criança pode cair várias vezes, até perceber que consegue pedalar sem rodinhas. Mas, antes, teve de vencer o medo.

Adaptar
A habilidade de se adaptar a diferentes situações, fundamental no mundo corporativo, também pode ser praticada na hora do recreio. Um jogo de tabuleiro, por exemplo, além de ensinar a criança a lidar com perdas e ganhos, mostra que, vez ou outra, tudo bem em mudar as regras. Mas quem briga com todo mundo quando perde – assim como no escritório – pode ficar de fora da próxima brincadeira. Já os blocos de montar mostram que, quando tudo cai, podemos tentar de novo!

Estudar
Os profissionais do século 21 devem atualizar o currículo sempre, com cursos e especializações. Ou seja, têm de gostar muito de estudar. Qual a relação com o brincar? Em primeiro lugar, a curiosidade é a condição básica para se interessar pelo conhecimento. As crianças são curiosas por natureza, mas essa vontade de aprender pode ser perdida com o tempo. O faz-de-conta é uma maneira de preservá-la. Pois a criança que exercita a fantasia, sendo em um dia a princesa e no outro o dragão, consegue se transportar mentalmente para outros lugares com facilidade. O que vai fazer toda a diferença na escola, das aulas de matemática às de literatura. Os livros, aliás, também são brinquedos importantes – isso mesmo! – para treinar a imaginação.

Consultores: David Elkind, psicólogo, autor de Sem Tempo para Ser Criança (Ed. Artmed); Marcelo Cunha Bueno, coordenador pedagógico em São Paulo; Maria Angela B. Carneiro, pedagoga, Peter Smith, educador, Max Gehringer, consultor de carreira 

%d blogueiros gostam disto: